Alimentos processados são 30% do consumo alimentar dos brasileiros

O ato de abrir uma embalagem tem relação com quase um terço das calorias que os brasileiros ingerem, porém esse comportamento está relacionado com a baixa qualidade nutritiva do alimento e a obesidade.

Estudos realizados pela Sociedade Britânica de Nutrição e publicada pela revista Public Health Nutrition foi dedicada aos danos que o consumoem diversos países dos alimentos processados podem causar a nossa saúde.

Os alimentos são divididos em quatro categorias, segundo o Guia Alimentar para a População Brasileira, publicado em 2014. A primeira categoria reúne alimentos naturais, como as frutas, verduras, leite e os ovos e os que são pouquíssimo processados como as farinhas e grãos. A segunda categoria são os alimentos utilizados para temperar e cozinhar, como o sal o açúcar e os óleos. Na terceira categoria estão os alimentos com adição de sal, açúcar e óleo para a sua conservação, e os alimentos processados tais como biscoitos, salgadinhos refrigerantes e pratos prontos congelados.

Para dar como exemplo de alimento in natura e processados, temos o milho. A espiga de milho é um alimento in natura, agora o milho enlatado é processado. O pacote de salgadinho de milho é considerado um alimento ultraprocessado.

Um outro artigo publicado pela revista sobre um estudo realizado por pesquisadores da Universidade de São Paulo fez uma avaliação na alimentação de 32,8 mil brasileiros. Desse total, em média 58,1% ingeriam calorias de origem de alimentos não processados ou minimamente processados, 10% de temperos, 10,6% de comida processada e 20,4% de alimentos ultraprocessados. Nos Estados Unidos essa categoria de ultraprocessados chega a 57,6%.

Os resultados da ingestão desses alimentos podem ser visto nas balanças e também no consultório médico. Ocorre um desequilíbrio provocado por doenças crônicas não transmissíveis, como colesterol alto e diabetes e também o ganho de peso podendo levar a obesidade.

Os dados da última pesquisa do Ministério da Saúde apontaram que o número de diabéticos no país cresceu 61,8% entre os anos de 2006 e 2016 e o de obesos em 60%.

Existe uma grande propaganda envolvendo os alimentos industrializados para a população de baixa renda devido aos custos menores, porém a qualidade desses alimentos é péssima, explica a pesquisadora em alimentos do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor, Ana Paula Bortoletto.

 

Comments are disabled